Tijolo com tijolo num desenho mágico.

E eis que eu atravessei os Pirineus e entrei na Península Ibérica para as últimas semanas de viagem. A familiaridade que eu esperava sentir quando chegasse em Portugal eu comecei a sentir já na Espanha. Em meu primeiro dia em Barcelona, eu já notava no rosto, na fala e no jeito de ser das pessoas algo de brasileiro. A herança cultural é óbvia e eu me senti em casa imediatamente. Em parte por isso, em parte por uma saudade de praia, em parte pela onipresença de Gaudi, Barcelona se tornou para sempre uma das minhas cidades europeias favoritas.

A (eternamente em construção) Sagrada Família superou minhas mais altas expectativas, passar algumas horas no Parque Guell foi um deleite apesar da multidão e da necessidade de aguardar uma hora específica para entrar, o centro antigo da cidade fazia um contraste bacana com o porto moderno logo ao lado, las Ramblas era uma torre de babel, a comida era maravilhosa, até sentar num banco de parque e ler meu Game of Thrones foi uma experiência gostosa. Eu reconheço que não é uma cidade barata e meu orçamento me impediu de aproveitar tudo ao máximo, mas vão haver outras visitas. Bruno e Barcelona estão em um relacionamento sério.

Seguindo para o sul, eu passei por Valência, a cidade natal da paella. É uma dessas cidades que eu coloquei e tirei do meu roteiro uma dezena de vezes, mas no fim fiquei muito feliz por ter conhecido. Diferente de Barcelona, apesar de ser uma cidade moderna, o centro histórico mantêm os ares de cidadezinha, mas basta uma curta caminhada para o cenário mudar por completo. Uma das surpresas mais agradáveis da cidade, e uma ideia incrível que alguém teve, foi quando eu passei pelo que eu julgava pelo mapa que se tratava de um rio, mas que na verdade era uma enorme (e estreita) área de lazer atravessando a cidade. No leito do que um dia há de ter sido um rio – e eu ainda quero descobrir o que aconteceu com ele – ergueram-se quadras de esporte, áreas verdes, pistas de corrida, jardins… estendendo-se por quilômetros e quilômetros. 

O verão também havia chegado pra ficar. No meio da tarde, as temperaturas agora chegavam perto dos 40 graus. Eu nunca fiquei tão feliz por voltar para o ar condicionado. Eu tinha esperanças que a Andalucia pudesse ter um clima mais ameno.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s