Nós não precisamos saber pra onde vamos, nós só precisamos ir.

Para um país tão pequeno, há muito o que se conhecer em Israel. Infelizmente, meu tempo foi mais restrito do que eu gostaria, algo que vai se repetir outras vezes durante a viagem. Eu abri mão de Belém, de Massada, de Haifa, de Cesária e da Palestina e peguei um ônibus rumo ao mar vermelho para atravessar a fronteira com a Jordânia situada entre a cidade israelense de Eilat e a cidade jordaniana de Aqaba.
Uma vez na Jordânia, bastou uma negociação rápida e eu estava dividindo um táxi com um casal alemão e rumando para Petra, a atração mais famosa do país, enquanto a músca tema de Indiana Jones tocava na minha cabeça. Essas duas horas de táxi coincidiram com o sol do fim da tarde, e o deserto que em Israel tinha um aspecto acizentado agora mostrava vales e montanhas em tons de caramelo que estão entre as visões mais lindas que já passaram por meus olhos.
A cidade de Petra, como era de se esperar, gira em torno das ruínas e do turismo que elas atraem. Talvez por isso o parque arqueológico ofereça preços para um, dois ou três dias de visita. Com certeza há muito o que se ver, mas apenas alguém com um interesse minucioso necessitaria de três dias. Dois me parece o número mais apropriado, mas ainda é possível se conhecer tudo numa única e exaustiva visita. A antiga Petra foi construída há 2.300 anos, escondida entre estreitos desfiladeiros e no alto de montanhas, pelos Nabateus, lapidaram palácios, templos e tumbas direto das rochas rosadas da região. Ao invés de erguer algo tijolo por tijolo, moldaram e escavaram as rochas na forma que desejavam. O resultado é o sonho de qualquer arqueólogo.
Depois de Petra, a escala mais lógica parecia ser Amman, a capital que muita gente descrevia como algo que não tinha nada de interessante. Foi quando surgiu a idéia de passar alguns dias em Madaba, famosa por seus mosaicos, situada mais perto do aeroporto que Amman e sui generis por ser uma cidade predominantemente cristã. A maior variedade gastronômica também foi bem vinda, já que eu estava começando a enjoar de hummus.
Próxima escala, Índia.

Uma opinião sobre “Nós não precisamos saber pra onde vamos, nós só precisamos ir.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s